O Brasil tem jeito?

O Brasil tem jeito?

 

Recordo o tempo de adolescência quando participava semanalmente de grupo de jovens nos salões das igrejas. Além de assuntos religiosos, debatíamos também as questões sociais, políticas, econômicas e tantos outros temas, pertinentes à época. Talvez nossas discussões fossem infantis demais, por ainda não termos vivido o suficiente, praticamente éramos de pouco idade; mas uma coisa era constante, sonhávamos com dias melhores, acreditávamos que um dia as coisas poderiam ser diferentes, imaginávamos que o nosso país poderia ser diferente.

 

Do tempo exposto passaram quase três décadas. E a pergunta continua: o que mudou? O Brasil tem jeito? Vi muitos amigos mudarem para outros países, vi tantos outros tentando encontrar o famoso “lugar ao sol” em outras cidades, pessoas que talvez eu nunca mais veja e que talvez tenha até encontrado seus objetivos, algo que torço para que tenha acontecido. Mas dos que ficaram e que pelas casualidades da vida nos encontramos, quando algum assunto surge, logo em seguida a aparece a “velha” pergunta: será que o Brasil tem jeito? Mas hoje com uma diferença, infelizmente, parece que praticamente ninguém acredita mais que acontecerá uma mudança que seja dignamente satisfatória para toda a sociedade.

Estamos a cada dia nos tornando uma nação de incrédulos socais e políticos. A desconfiança é tanta que não nos importamos com mais nada. Preferimos a alienação, não nos envolvermos com temas políticos/sociais, preferimos manter uma distância de tudo aquilo que nos remete a debater o que acontece com a nossa nação. As palavras de Bertold Brecht, em seu texto “O analfabeto político” nunca foram tão reais, parecem que foram escritas hoje pela manhã.

Agora, o Brasil tem jeito? Claro que sim. Para isto basta que ele deixe de ter uma massa de analfabetos políticos, sociais, econômicos… de pessoas que preferem viver nas mais diversas formas de mediocridade. Só deixaremos de ser o que somos, quando tivermos a coragem de enxergar o que nos fazem todos os dias, o que e como nos oferecem o retorno do nosso suor (impostos). Só deixaremos de ser o que somos, quando pararmos de seguir e apoiar os mesmos que nos roubam a dignidade. Quando acreditarmos que somos o dono da nossa própria história. Enquanto este dia não chega, vamos continuar perguntando: o Brasil tem jeito?

Walber Gonçalves de Souza é professor e membro das Academias de Letras de Caratinga (ACL), Teófilo Otoni (ALTO) e Maçônica do Leste de Minas (AMLM)

admin

Using cookies
This site uses cookies for you to have the best user experience. If you continue to browse you are consenting to the acceptance of the aforementioned cookies and acceptance of our cookie policy