Trouxemos algo mais valioso que o hexa da Rússia.

Fomos campeões ao aprendermos que a vaidade é a mais derradeira arma contra o sucesso. Os investidos de vaidade tiveram suas passagens de volta antecipadas. Os desprovidos da vaidade individual e com consciência coletiva foram vitoriosos e ficaram até o final. Não se vence só.
O bi campeonato veio com a preocupação com a segurança e a transparência da arbitragem, uma espécie de governança da arbitragem esportiva. Que vença o melhor! O VAR auxiliou de alguma forma neste primeiro experimento, ou seja, existem olhares além dos que já conhecemos. Quando é coletivo há de se vigiar e governar.
Já o tri campeonato veio da honestidade ao admitir culpabilidade em lances duvidosos por vários participantes da competição que aos olhos da mídia aparentemente se mostrava o contrário. Talvez já pelo reflexo de se passar por farsante ou falsário diante do legado do bicampeonato citado acima. Zelar pela reputação ética e moral é valoroso bem do homem .
Já o tetra campeonato veio do respeito a diversidade religiosa onde até mesmo os oponentes se uniram em oração para o sucesso da competição. Cenas de verdadeiro espírito esportivo e humanitário, inimigos comuns unidos por um pedido comum, paz e proteção divina. Temos um Deus só com várias denominações mas todos Deuses da Paz e do Amor.
O penta campeonato o aprendizado foi um dos mais formidáveis, a postura de políticos que chamou a atenção do mundo e recompôs a crença de que ainda pode existir governantes com alta moral e ética pessoal. Que o dinheiro público deve ser respeitado, o exercício da função não pode me dar privilégios diferenciados. Somos do povo e ao povo devemos servir.
Já o hexa ensinamento veio da Seleção da França que agora é BI. A prova que a diversidade cultural, a coletividade podem fazer a diferença e nos conduzir ao despreconceito, tolerância, paciência, indulgência, condescendência, complacência, transigência, contemporização, temporização que coincidentemente pode levar e conduzir a Vitória.
As lições foram muito além de uma conquista esportiva. Venceu a simplicidade, a coletividade e acima de tudo o sentimento de que sem luta não existe vitória.
Um viva para Copa Russia 2018. Viva! Viva! Viva!
Júlio Merij

A EDUCAÇÃO ESTÁ ENTRE A CORRUPÇÃO E A HONESTIDADE:O BEM E O MAL

Temos buscado nos últimos tempos a tentativa de ampliar os padrões de educação no Brasil. Além de ampliar temos tentado em vão buscar melhorias para o aprendizado em um País marcado pela corrupção e degradado pela fragilidade das estruturas escolares que a princípio seriam vitais para o desenvolvimento destas práticas.

Paralelamente vemos um desemprego e desigualdades sociais como nunca visto. O rico cada vez ficando mais rico e o pobre cada vez ficando mais miserável. Eleições se aproximando e mais uma vez a história se repete com campanhas milionárias, promessas que não serão cumpridas, uso da maquina pública para ampliar seus eleitorados com promessas e ofertas momentâneas e o marketing apoiado por campanhas televisivas que influenciam cada vez mais o eleitorado.

(mais…)